Segunda-feira, 11 de Junho de 2007

Here n’there - Empreededores@Contacto

 A Here n’there, é um grupo de jovens com experiência de trabalho em diferentes países, mercados, culturas. Juntos ou cada um por si, desenvolve o conhecimento de diversos mercados e produtos e é especializada em indústrias e comércio em áreas como Artigos em Pele, Têxteis, Madeira, e Matérias-Primas.  

Os serviços da Here n’there são, fundamentalmente, dar conhecimento das melhores oportunidades nos diferentes mercados em que opera mas também apoia na logística, caso o cliente assim o pretenda.  

 

Este projecto foi fundado por Nuno Morais Martins, estagiário da edição 8 do programa. Nuno, realizou o seu estágio em Londres e é com ele que vamos conhecer um pouco mais esta empresa.
 
VC - Como nasceu a ideia de criar a Here n’there?
HNT - Depois de identificar as oportunidade que havia em representar os interesses de empresas em mercados que estas tenham dificuldade em termos de informação e mais ainda de comunicação
 
VC - Que razões estratégicas, abordagens, motivações o levaram a constituir a Here n’there?
HNT - A experiência profissional de ter trabalhado no estrangeiro (2 anos na Índia e 1 ano em Inglaterra). A minha e a dos meus sócios/colaboradores. Descobrimos que podíamos criar uma rede vasta que devíamos explorar.
 
VC - Quais são os objectivos da sua empresa, qual a sua área de actividade, principais clientes?
O mote é ser o Escritório das empresas onde estas precisem de ter os seus interesses representados. Oferecemos muitos serviços relacionados com isso, seja apenas para importação/exportação ou para internacionalização. Clientes para já só 2 e não muito grandes. Obviamente esperamos mais!
 
VC - Quanto tempo levou da idealização ao arranque da empresa?
HNT - 1 ano. Á espera dum subsídio para PMEs, (ILE) que não pagou o tempo que esperei por ele!
 
VC - Como avaliou as oportunidades em termos dos factores críticos de sucesso? Da concorrência? Do Mercado?
HNT - Da mesma maneira que o fiz aquando da formulação da ideia. Temos experiência e conhecimento em mercados importantes e que algumas empresas podem ter dificuldade em conhecer e por isso abandonar boas oportunidades. Já há várias empresas a oferecer o mesmo tipo de serviços, mas talvez não nos mercados que nós conhecemos melhor. Embora nos propomos a trabalhar onde for preciso.
O mercado para este tipo de negócio acho que continua a crescer, pois cada vez mais empresas compram ou vendem produtos e serviços no estrangeiro, independentemente da sua dimensão.
 
VC - Que dificuldades em entrar no mercado?
HNT - Falta de meios para apresentar os nossos serviços de um modo mais simples e concreto.
 
VC - Que características acha que os empreendedores devem ter?
HNT - Paciência e perseverança. Para tudo!
 
VC - Pretende manter a actividade? Expandir?
HNT - Evidentemente! Assim possamos aguentar!
 
VC - Quais as 3 lições mais importantes que aprendeu enquanto empreendedor?
HNT - 1: Ter paciência; 2: Depender de muita gente e situações, lidando e gerindo isso, 3: Trabalhar com a incerteza.
 
VC - Como teve conhecimento da existência do Programa Contacto?
HNT - Na Universidade, há muitos, muitos anos!!!
 
VC - Acha uma boa iniciativa?
HNT - Evidentemente.
 
VC - Quais as vantagens que o Programa Contacto trouxe á sua empresa?
HNT - Trouxe-me a mim, mais experiência internacional.
 
VC - Em que é que o Programa Contacto o ajudou a tornar-se empreendedor?
HNT - Ajudou-me a cimentar a ideia que já trazia, dando-me oportunidade de conhecer outros mercados, países e indústrias.
 
VC - Estaria disposto a receber estagiários Programa Contacto na sua empresa?
HNT - Sim, assim a empresa reúna as condições necessárias para tal.
 
publicado por visaocontacto às 17:10
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28

.Artigos recentes

. Here n’there - Empreededo...

.Edições

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds